Capitolio


Novo plano adota cobrança por desempenho e atrai investidores

30 de junho 2020

O plano de saúde Alice vai atender pessoas físicas em São Paulo

Depois de sair da empresa de transporte 99, André Florence e Matheus Moraes planejavam montar um novo negócio. Ao avaliar algumas opções, perceberam que o setor de saúde apresentava um desafio interessante. Depois de comentar sobre a ideia com os sócios do fundo Canary, os dois foram apresentados a Guilherme Azevedo, cofundador do Dr. Consulta, que também vinha pensando em novas áreas para atuar.

Desse encontro nasceu a Alice, um plano de saúde aprovado em janeiro pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A ideia, segundo Florence, que foi diretor financeiro da 99 e agora preside a startup, é trabalhar no modelo de cobrança baseado em desempenho (value based), não por serviço prestado como o mercado funciona tradicionalmente. A abordagem tem ganhado atenção como uma alternativa para conter os crescentes custos de operação e, consequentemente, dos preços dos planos de saúde.

A operação começa pela cidade de São Paulo e se focará, inicialmente, nas vendas de planos individuais para pessoas físicas, um segmento do qual as operadoras se afastaram nos últimos anos. De acordo com Florence, o atendimento corporativo virá em um outro momento. “A estratégia é de relacionamento próximo com as pessoas e para começar seria difícil porque se a pessoa perde o emprego, ela perde o benefício. No curto prazo, para exercer essa proximidade, o melhor é atuar no individual”, diz.

Veja mais

Autor: Gustavo Brigatto
Referência: Valor Econômico