Capitolio


Hoje é o dia D para a resseguradora IRB Brasil

29 de junho 2020

Divulgação do balanço, adiada duas vezes, pode esclarecer pontos sombrios da companhia e fazer a ação deslanchar

Os investidores aguardam com ansiedade o balanço da IRB Brasil RE, que deve ser divulgado hoje. A resseguradora vive um momento difícil desde que foi revelado, no começo deste ano, um esquema de fraudes que envolvia sua antiga diretoria. O balanço, que deveria ter sido apresentado em maio, pode trazer algumas respostas esperadas pelo mercado financeiro, principalmente na consolidação das melhorias dos níveis de governança corporativa da companhia.

Na terça-feira da semana passada, a IRB Brasil divulgou algumas medidas de reforma de sua estrutura de governança para tentar aumentar a confiança dos investidores, abalada por uma série de decisões controversas. A resseguradora enfrenta inquéritos para apurar supostas irregularidades fiscais. A divulgação do último balanço já foi adiada duas vezes.

A IRB também identificou os responsáveis pela divulgação da informação falsa de que a Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, fazia parte do seu quadro acionário, o que foi o estopim da crise da companhia. Após o megainvestidor divulgar que não tinha e nem nunca teve participação na resseguradora brasileira, houve uma fuga generalizada de acionistas.

Investigação. A ação IRBR3 tem sido alvo de muita especulação desde a carta assinada pela gestora carioca Squadra questionando a recorrência dos resultados da resseguradora. Na última sexta-feira, a IRB Brasil RE comunicou que uma investigação interna identificou que exexecutivos se apropriaram de cerca de R$ 60 milhões em forma de bônus pela venda de imóveis. Além disso, os ex-colaboradores teriam recomprado um lote de ações, avaliado em R$ 100 milhões, acima do limite autorizado pelo seu conselho de administração da empresa, exatamente na época dos questionamentos da Squadra. A transparência tem ajudado no desempenho da ação. O papel encerrou o pregão de sexta em alta de 5,42%; o Ibovespa recuou 2,24% no dia.

Para Henrique Esteter, analista da Guide Investimentos, a conclusão das investigações internas não chegam a tornar a situação positiva, mas traz certo “alívio” para a IRB. “De alguma forma, a companhia foi lesada também, assim como os investidores. Por meio dessa divulgação, a nova diretoria busca responsabilizar os antigos diretores da empresa de todo o dano”, afirma o especialista.

Investidor. Para Victor Martins, analista da Planner Corretora, a divulgação do balanço financeiro representará um primeiro contato do mercado com a nova diretoria. “Será importante ouvir sobre esses aspectos (das contas) e um direcionamento sobre os próximos passos.”

O analista também ressalta a importância de mais detalhes sobre a possibilidade do conselho administrativo deliberar sobre aumentos de capital, dentro do limite autorizado, e a criação da Reserva de Lucros Estatutária. “É na teleconferência de resultados que poderão ser abordados as principais direções que vão nortear os números daqui para frente, e ajudar na correta precificação das ações”, diz Martins.

Apesar de esperar um resultado “bem fraco” nas contas, Marcio Loréga, analista da Ativa Investimentos, diz que o mais importante será avaliar o estrago feito pelos problemas de governança.

“Quanto mais claro e real for a percepção de que o pior está ali na frente de todos, mais tangível será a possibilidade de recomeço da empresa. Recomeço na questão de credibilidade perdida, juntando os cacos, aprendendo com os erros do passado e colocando a mão na massa, para que os novos projetos para reerguer a empresa deem certo”, afirma Loréga.

Christian Lupinacci, analista do banco digital Modalmais, acredita que o mercado tem uma expectativa mais construtiva com este balanço. “A empresa está bem barata, teve diversos problemas recentemente com governança, e não tem uma comunicação aberta e linear com o mercado. Isso foi péssimo e castigou o preço das ações. A expectativa do mercado com a troca da diretoria é: quanto tempo vai demorar para que tirem toda a sujeira do tapete.”

Para João Beck, especialista em investimentos e sócio da BRA, o balanço deverá mostrar que não houve nenhum sinistro nos ativos do IRB e que a empresa está “saudável”. Beck destaca que a empresa teve uma alta da ação no último pregão, apresentando volume financeiro acima da média das últimas negociações.

“O que vai sair no balanço é a real capacidade de geração de lucro da empresa, o que realmente tem de ativo de caixa. O que o mercado especula é que não houve nenhum pagamento alto de sinistro. Não tem justificativa para a empresa estar quebrada. O que pode ter acontecido é que houve uma manipulação grande no balanço da empresa. Então, manipulando o balanço da empresa, o IRB produziu um lucro exagerado.”

Autor: Isaac de Oliveira
Referência: Estado de São Paulo