Capitolio Consulting


Aposta otimista

10 de janeiro 2019

“Tudo indica que o mercado continuará a se recuperar este ano, principalmente em razão de reformas econômicas do novo governo”

As vendas de veículos no mercado brasileiro foram maiores do que todas as previsões feitas ao longo de 2018. Os dados revelados pelo Renavam (Registro Nacional de Veículos Automotores), logo no primeiro dia útil do ano, indicam isso. No entanto, os percentuais de crescimento de um ano contra o outro são mal explicados.

Isso acontece porque veículos comerciais pesados, muitas vezes, ficam fora das estatísticas. Assim, podem ser divulgados três números que acabam por causar certa confusão. Em 2018 sobre 2017, o comércio de automóveis e veículos comerciais leves (picapes e furgões) cresceu 13,7%, de 2,17 milhões para 2,47 milhões de unidades; veículos pesados (caminhões e ônibus), de 67 mil para 96 mil unidades (mais 42%). Assim, no total, venderam-se 2.566.235 unidades – crescimento de 14,6% sobre 2017.

O ano passado foi impactado por três eventos perturbadores de fluxo normal de vendas: a greve dos caminhoneiros, a Copa do Mundo de Futebol e as incertezas de eleições gerais, além do grande número de feriados. A Fenabrave fez quatro previsões de vendas e a Anfavea, três. Nenhuma das entidades acertou, embora a Anfavea (em outubro último) tenha antevisto 13,7%. Em janeiro de 2018, essa coluna previu 14,1% e, assim, chegou perto.

Ainda estamos longe do recorde de 2012 (3,802 milhões de unidades). Mas tudo indica que o mercado continuará a se recuperar este ano, principalmente em razão de reformas econômicas do novo governo. Uma boa notícia, no fim do governo anterior, foi a redução do seguro obrigatório de responsabilidade civil para simbólicos R$ 12, no caso de automóveis, a partir de 2019. A Seguradora Líder até sugeriu um aumento das indenizações, em vez da redução do preço do seguro, porém, trata-se de iniciativa tardia. Houve abusos e descontroles desde sua criação, em 2007.

Há outros aspectos positivos a considerar. A base comparativa continua baixa, após uma redução em torno de 50% no auge da depressão, e a frota circulante precisa de renovação. Um indicativo do aumento da procura sustentável por carros novos é a estagnação na comercialização de veículos usados. Segundo a Fenauto, a federação nacional das associações de comerciantes independentes, houve aumento de apenas 0,4% em 2018 sobre 2017 no volume de vendas de carros usados. Nos anos anteriores recentes, era regra um crescimento em torno de dois dígitos.

Qual, então, seria uma boa previsão para o crescimento do mercado de veículos novos em 2019? Segundo Sérgio Vale, da MB Associados, que assessora a Fenabrave (federação nacional das associações de concessionárias), “no momento, ficamos com 11%, porém, se iniciativas econômicas importantes forem implantadas, pode-se alcançar mais de 13%.”

A Anfavea, por sua vez, antevê que as vendas totais devem crescer 11,4% sobre 2018, atingindo 2,86 milhões de unidades. A expansão da produção seria de 9% para 3,14 milhões de unidades, enquanto as exportações cairiam tanto em volume (590 mil unidades ou 6,2% menos) quanto em valores (US$ 13,9 bilhões ou 3,9% menos).

Esta coluna é mais otimista. Em ano difícil de prever, sem saber a profundidade das reformas, ainda assim aposta em 13,8%.

Autor: Fernando Calmon
Referência: Correio Braziliense