Fundo com títulos do Tesouro

O Tesouro Nacional anunciou ontem a abertura do processo seletivo para escolha do gestor do Fundo de Índice de Renda Fixa (ID-ETF, sigla do inglês Issuer-Driven Exchange Traded Fund). O novo fundo foi desenvolvido em parceria com Banco Mundial (Bird) e será lastreado com títulos do Tesouro. A ideia é oferecer taxas de administração mais competitivas que as do mercado, abaixo de 1%, e alíquota de Imposto de Renda mínima, de 15%, independente do prazo de aplicação nas cotas.

O período para a escolha do gestor termina em 6 de agosto e o vencedor do certame terá 18 meses para lançar o produto com oferta pública na Bolsa de Valores. O edital para a seleção foi publicado ontem no Diário Oficial da União (DOU). A expectativa do Tesouro é estimular a concorrência no mercado de fundos e aumentar a liquidez dos títulos públicos, ampliando a oferta para o pequeno investidor e para os fundos de pensão.

O indexador do DI-ETF será o Ima-B — Índice de Mercado Anbima indexado pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Esse indicador acumulou alta de 9,67% nos últimos 12 meses, acima do CDI — Certificado de Depósito Interbancário, principal indicador dos fundos de renda fixa, que registrou elevação de 8,04% no mesmo período.

“O ETF é um fundo em que as cotas serão negociadas na Bolsa. É o primeiro ETF de renda fixa no Brasil e é importante para o Tesouro, porque é um fundo com índice diferente do CDI, que é usado hoje pelo mercado de fundos de renda fixa”, afirmou o subsecretário da Dívida Pública do Tesouro, José Franco Medeiros de Morais. Atualmente, existem ETFs apenas no mercado de ações. De acordo com Franco, o Tesouro fará uma emissão de títulos para compor a carteira do ETF, com 15 tipos do papel indexado à inflação, a NTN-B, com vários vencimentos e prazo de duração média de sete anos. A princípio, serão emitidos R$ 300 milhões.

Referência: Correio Braziliense